01/01/2020

Apresentação do Livro Maria (com) Mania

Estoril - 8 de dezembro de 2019

PREFÁCIO:

A Maria tem a mania.

Tem a mania que os seus textos não agradam a quem os lê. Nada mais falso!

A Maria escreve como ninguém! Escreve com a alma, com o coração e deixa-nos penetrar nos seus textos para fazermos parte deles, vivermos as histórias que nos conta e visualizarmos todos os pormenores que relata.

Ler os seus textos provoca-nos sensações e isso é o melhor que alguém que escreve pode ter. Por vezes ficamos zangados, outras sentimo-nos felizes, mas também divertidos, tristes, melancólicos, pensativos.

Porque a Maria faz-nos pensar. Ficamos a pensar que não observamos como devíamos tudo o que se passa à nossa volta.

Por tudo isto, a perspicácia da Maria faz-nos ‘descer à terra’ e refletir que afinal a vida é mesmo tão fácil de viver, desde que não a compliquemos.

A Maria também se expõe e muito neste livro. Mostra-nos o quão amiga é, o quão se preocupa com a família e com os amigos, sem medos de revelar o que sente, como sente e porque sente. E fá-lo sem capas, sem filtros e com um sentido de oportunidade único. A vida da Maria ganhou ainda mais asas desde que decidiu contar-nos as suas histórias.

Adoro os ‘desabafos’ incluídos em alguns textos que, uma vez mais, nos transportam até ao cenário de cada uma das situações relatadas. Nós estamos lá porque a Maria escreve para nós! É uma de nós e diz-nos isso de uma forma verdadeiramente poética.

Não é tão bonito este pensamento que a Maria nos lembra? “Amar é não ter medo é ter respeito (…) E, quando assumimos isto, temos espaço para que, mesmo quando as pessoas partem das nossas vidas, possam ficar no nosso coração para sempre”.

Ler este livro é um bálsamo!

Porque é fácil de ler e porque acabamos por nos rever em muitas das histórias aqui contadas. E que (com muita certeza escrevo) no lugar dela não seríamos capazes de divulgar.

Que bela ideia tiveram os editores da Chiado Books em fazer a compilação dos textos da Maria Mania. Do Facebook para o papel, porque assim cada história perdura, cada história fica bem arrumada num livro que pode (e deve) ser lido e relido.

Foi para mim uma enorme honra ter sido convidada para deixar aqui este breve, mas muito sentido, testemunho.

Obrigada Filomena!

E para cada um de vós: leiam e disfrutem destas histórias maravilhosas!

Cecília Carmo

Outubro de 2019